CLICAR EM BOM PORTUGUÊS

cLiCaR e CoÇaR é Só CoMeÇar

CLICAR E COÇAR É SÓ COMEÇAR

Já que teclamos a mesma língua, fique a vontade!

Apesar de existir um MOUSE entre nós!!

Ao sair, clique e deixe o seu comentário!


oLhA a HoRa!!!

sábado, 25 de março de 2017

mestrado - tranças

Acir Dias da Silva

Foto Possui graduação em Pedagogia pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná (1994), mestrado em Educação, Conhecimento, Linguagem e artes pela Universidade Estadual de Campinas (1999) e doutorado em Educação, Conhecimento, Linguagem e artes pela Universidade Estadual de Campinas (2004). Pós Doutorado com pesquisa em memória e documentário(Em Curso). Atualmente é professor Associado da Universidade Estadual do Paraná, Campus Faculdade de Artes do Paraná onde atua como coordenador do curso de cinema e vídeo. Professor convidado da Universidade Estadual do Oeste do Paraná no programa de pós graduação Linguagem e Sociedade. Possui experiência na área literatura comparada, Educação, com ênfase em Educação Comunicação Cultura Linguagem e Arte, atuando principalmente nos seguintes temas: arte, cinema, literatura, interfaces, cinema, estudos comparados e cultura. É editor científico da revista eletrônica Travessias e faz parte do conselho editorial da revistas Línguas e Letras(UNIOESTE), LL Journal - Língua e Literatura (Nova York)

 

Linguagem Literária e Interfaces Sociais: Estudos ComparadosConfluências da Ficção, História e Memória na Literatura e nas Diversas Linguagens
Dados da linha de pesquisa
Realizar estudos no âmbito da Literatura Comparada a partir da eleição de um corpus significativo,dentro dos mais variados gêneros literários e artísticos, considerando-se as relações possíveis entre a literaturas e as outras Artes com a finalidade de investigar as relações entre os distintos campos da Arte, sua correlação entre linguagem, literatura e sociedade, com abordagens na multiplicidade dos textos literários, tendo em vista as representações sociais, simbólicas e míticas.
Confluências da Ficção, História e Memória na Literatura e nas Diversas Linguagens
2013 - Atual
Cinema e Pintura: Produção de Conhecimento Interdisciplinar Artístico em High Definition

Descrição: Pesquisa teórica e pratica das relações cinema e pintura e respectiva transposição para a imagem em movimento. O cinema, por constituir-se de signos em movimento, tenta exprimir a realidade "conversando" como reminiscências na medida em que elas conservam a forma que o cineasta se comunica e se expressa diante das perspectivas estéticas. A partir da leitura crítico-analítica das relações cinema e pintura procuraremos a transposição de telas da pintura para o cinema e nisso, inclui exercícios criativos e criativos..
Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Graduação: (16) / Especialização: (2) / Mestrado acadêmico: (6) / Doutorado: (4) .

Integrantes: Acir Dias da Silva - Coordenador / HertEz Wendel de Camargo - Integrante / Deise Ellen Piatti - Integrante / Beatriz Helena Dall Molim - Integrante / Laysmara Carneiro Edoardo - Integrante / Maria das Dores Valentim Alves - Integrante / Maria do Céu - Integrante.
Financiador(es): Fundação Araucária - Auxílio financeiro.
2012 - Atual
MULTIPERSPECTIVISMO NA LITERATURA E NAS ARTES

Descrição: De forma genérica as artes e a literatura contemporânea lidam com múltiplas técnicas em sua composição formal: o multiperspectivismo, a preterição, a simbologia, a alegoria, o pastiche e outros. A ficção é a arte antes de tudo, enquanto configuração ou definição, uma mentira, uma invenção, uma fabulação. Uma mentira, uma invenção, uma fabulação acompanhada de palavras e imagens. As artes e a literatura contemporânea, de maneira geral, enquanto tradicional representação de ?realidade?, ou de representação do real, ou representação real, quer dizer, fala sobre a realidade em múltiplos pontos de vista pela descrição, narração, análise, critica, ironia e mediante atalhos e desvios retornam a própria arte e a ficção. O ?entre-lugar?, o lugar de observação, de análise, de interpretação não é nem cá, nem lá, é um determinado ?entre? que tem que ser inventado pelo leitor. O leitor como um manipulador de objetos. Diante disso, para este projeto de pesquisas, elegem-se obras que interprete a arte, a literatura, a memória de forma múltipla e polissêmica..
Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Graduação: (6) / Mestrado acadêmico: (4) / Doutorado: (1) .

Integrantes: Acir Dias da Silva - Coordenador.
2007 - 2011
Iconografia da Memória na Literatura e no Cinema

Descrição: RESUMO: Estuda-se a persistência de ícones na produção literária e cinematográfica, para tanto as imagens da pintura são vistas como estrutura central de aglomerações de sentidos que residem na cultura e no tempo. Desliza-se em comparações e confrontos dos inúmeros discursos e enunciados da obra de arte e as inscrições da arte da memória no enredamento de sentidos, tempos e espaços, saberes, conceitos e conhecimentos. A literatura e o cinema incorporam elementos alegóricos, míticos, motivos e conteúdos arcaicos que aludem de forma referencial as tradições nas quais a cultura está inserida. Tal pesquisa trata de reflexões sobre a memória presente nas correlações materiais e suas múltiplas formas de expressões, pois, tanto a literatura quanto o cinema incorporam ruídos perdidos do tempo, imagens desconexas, resíduos, sensações e reminiscências que poderiam ser esquecidas, enfim, as imagens e signos do mundo. Tais suportes incorporam elementos do universo poético na construção da linguagem, nesse sentido, serão discutidas questões teóricas referentes às articulações alegóricas, icônicas da literatura, cinema e cultura. Suas formas de interações, interseções e diálogos entre sistemas de signos e discursos que se circunscrevem nas esculturas do tempo e nas intermediações da memória. Deste modo, reiteramos o conceito de lembrança, que se aproxima de um duplo ideal: o da pura conservação de uma vida antiga e o da efetivação de uma vida atual. As lembranças podem funcionar como uma manifestação de si ao possibilitar interação como os ?extratos? históricos em uma obra artística. Na obra de arte as manifestações do passado aparecem como testemunhos e incorporam diálogos implícitos, citações, evocações oblíquas, ?transcriações? e cruzamentos de experiências estéticas materializadas numa polifonia de discursos que retêm o tempo e a história. PALAVRAS-CHAVE: Cultura, Cinema, Memória, Literatura..
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Graduação: (2) / Mestrado acadêmico: (4) .

Integrantes: Acir Dias da Silva - Coordenador.
2005 - 2007
Estudo e pesquisas das representações culturais das imagens do cinema e da literatura e suas confluências com a educação.

Situação: Desativado; Natureza: Pesquisa.

Integrantes: Acir Dias da Silva - Coordenador.
2002 - 2003
Imagens da Bíblia no Cinema e Literatura

Descrição: Tal projeto de pesquisa objetiva apontar relações entre as imagens contemporâneas do cinema com a memória da civilização ocidental..
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Graduação: (0) / Especialização: (0) / Mestrado acadêmico: (0) / Mestrado profissional: (0) / Doutorado: (0) .

Integrantes: Acir Dias da Silva - Coordenador.
2000 - 2002
Imagens e Educação

Descrição: Relação da imagens contemporâneas do cinema e da televisão com a educação estética do olhar..
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Graduação: (0) / Especialização: (0) / Mestrado acadêmico: (0) / Mestrado profissional: (0) / Doutorado: (0) .

Integrantes: Acir Dias da Silva - Coordenador.

Dissertação de mestrado
1.
JANICLEI APARECIDA MENDONÇA. REPRESENTAÇÕES DO MITO E DO FANTÁSTICO NA OBRA ?HOJE É DIA DE MARIA?. 2013. Dissertação (Mestrado em Letras -Linguagem e Sociedade) - Universidade Estadual do Oeste do Paraná, . Orientador: Acir Dias da Silva.

2.
Taisa Carvalho. Rastros e Vozes de Sylvia Plath: Reminiscências e Memórias. 2013. Dissertação (Mestrado em Letras -Linguagem e Sociedade) - Universidade Estadual do Oeste do Paraná, . Orientador: Acir Dias da Silva.

3.
Ralph Willians de Camargo. TRADUÇÕES DO INSTANTE: LITERATURA E FOTOGRAFIA NA OBRA?ÁGUA VIVA? DE CLARICE LISPECTOR. 2012. Dissertação (Mestrado em Letras -Linguagem e Sociedade) - Universidade Estadual do Oeste do Paraná, . Orientador: Acir Dias da Silva.

4.
Paulo César Rodrigues Diógenes. SONHA BURROUGHS EM CUT-UP?:NOTAS SOBRE MÁQUINAS DE ESCRITA E REMISTURA. 2012. Dissertação (Mestrado em Letras -Linguagem e Sociedade) - Universidade Estadual do Oeste do Paraná, . Orientador: Acir Dias da Silva.

5.
Franciely Gonçalves Cardoso. A narrativa ficcional nos games: (des)apropriação cultural da memória. 2012. Dissertação (Mestrado em Letras -Linguagem e Sociedade) - Universidade Estadual do Oeste do Paraná, . Orientador: Acir Dias da Silva.

6.
Maria das Dores Valentim Alves. "Em Redor do Mundo, Tudo é Beira: Almanaque das Pedras do Reino de Quaderna". 2010. Dissertação (Mestrado em Letras -Linguagem e Sociedade) - Universidade Estadual do Oeste do Paraná, . Orientador: Acir Dias da Silva.

7.
Laysmara Carneiro Edoardo. ?IMACULADA CONCEPCIÓN: A CONSTRUÇÃO DE IMAGENS- CORPOS FEMININOS EM LA FEMME ET LE PANTIN?. 2010. Dissertação (Mestrado em Letras -Linguagem e Sociedade) - Universidade Estadual do Oeste do Paraná, . Orientador: Acir Dias da Silva.

8.
Roberta Cantarela. PORÃO DE IMAGENS E MEMÓRIAS EM A GATA EM TETO DE ZINCO QUENTE DE TENNESSEE WILLIAMS. 2010. Dissertação (Mestrado em Letras -Linguagem e Sociedade) - Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. Orientador: Acir Dias da Silva.

9.
Silvana Nath. A Dor e a Lágrima: no Cinema e na Literatura. 2010. Dissertação (Mestrado em Letras -Linguagem e Sociedade) - Universidade Estadual do Oeste do Paraná, . Orientador: Acir Dias da Silva.

10.
Deise Ellen Piatti. Que Vossos Olhos Sejam Atendidos. 2009. Dissertação (Mestrado em Letras -Linguagem e Sociedade) - Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. Orientador: Acir Dias da Silva.

11.
Sheyla Sabino da Silva. As Vozes da Morte em O Sétimo Selo: Aproximações Culturais. 2009. Dissertação (Mestrado em Letras -Linguagem e Sociedade) - Universidade Estadual do Oeste do Paraná, . Orientador: Acir Dias da Silva.

12.
Marco Aurélio Morel. Tradução de Sentidos Em Marat/Sade, de Petter Brook. 2009. Dissertação (Mestrado em Letras -Linguagem e Sociedade) - Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. Orientador: Acir Dias da Silva.

13.
Franciele Paes Pimentel. Franciele Paes Pimentel. 2009. Dissertação (Mestrado em Letras -Linguagem e Sociedade) - Universidade Estadual do Oeste do Paraná, . Orientador: Acir Dias da Silva.

14.
Edina Boniatti. Vereda da Salvação e Terra Para Rose: A Escritura Documental no Teatro e no Cinema. 2007. Dissertação (Mestrado em Letras -Linguagem e Sociedade) - Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. Coorientador: Acir Dias da Silva.

15.
Francismar Formentão. Mídias e Discursos. 2007. Dissertação (Mestrado em Letras -Linguagem e Sociedade) - Universidade Estadual do Oeste do Paraná, . Orientador: Acir Dias da Silva.

Tese de doutorado
1.
Salete Paulina Machado Sirino. A Materialização do Real nas Obras Literárias e Fílmicas S. Bernardo, Vidas Secas e Memórias do Cárcere. 2014. Tese (Doutorado em Letras -Linguagem e Sociedade) - Universidade Estadual do Oeste do Paraná, . Orientador: Acir Dias da Silva.

2.
Elenita Conegero Pastor Manchoppe. Memória e Imagem na Escritura de Júlia Lopes de Almeida.. 2013. Tese (Doutorado em Letras -Linguagem e Sociedade) - Universidade Estadual do Oeste do Paraná, . Orientador: Acir Dias da Silva.

Monografia de conclusão de curso de aperfeiçoamento/especialização
1.
Raphaela Vieira da Silva. ANÁLISE ENTRE O LIVRO E O CINEMA HISTÓRICO. 2015. Monografia. (Aperfeiçoamento/Especialização em Curso de Pós-Graduação em Cinema, Com ênfase em Produção) - Universidade Estadual do Paraná. Orientador: Acir Dias da Silva.

2.
Allan Fernando Oliveira. DE X ESCORPION 1 PARA PALACE II: A RECONTEXTUALIZAÇÃO E AUTORIA DO TEXTO LITERÁRIO DE PAULO LINS NO ROTEIRO DE BRÁULIO MANTOVANI. 2015. Monografia. (Aperfeiçoamento/Especialização em Curso de Pós-Graduação em Cinema, Com ênfase em Produção) - Universidade Estadual do Paraná. Orientador: Acir Dias da Silva.

3.
Iriene Borges da Silva Machado. A tradução de linguagens como processo criativo: uma abordagem empírica. 2015. Monografia. (Aperfeiçoamento/Especialização em Curso de Pós-Graduação em Cinema, Com ênfase em Produção) - Universidade Estadual do Paraná. Orientador: Acir Dias da Silva.

4.
ANA CAROLINA CASSIOLATO BARÃO. ESTUDOS DA NARRATIVA E DRAMATURGIA: MAD MEN E OS NOVOS DIÁLOGOS NARRATIVOS. 2015. Monografia. (Aperfeiçoamento/Especialização em Curso de Pós-Graduação em Cinema, Com ênfase em Produção) - Universidade Estadual do Paraná. Orientador: Acir Dias da Silva.

5.
Marcos De Bona de Carvalho. TERRA EM TRANSE ? ANÁLISE DE PERSONAGENS, ROTEIRO E A QUEBRA DA QUARTA PAREDE. 2015. Monografia. (Aperfeiçoamento/Especialização em Curso de Pós-Graduação em Cinema, Com ênfase em Produção) - Universidade Estadual do Paraná. Orientador: Acir Dias da Silva.

6.
Rosaura Valentim Alves. Cinema de Poesia em a Ostra e o Vento. Interfaces Visuais e Poéticas. 2005. 0 f. Monografia. (Aperfeiçoamento/Especialização em Interfaces Linguísticas Literárias e Culturais) - Universidade Estadual do Oeste do Paraná. Orientador: Acir Dias da Silva.

7.
Karla Dalla Lana. Leitura Alegórica da Personagem Mina Murray e Suas Possíveis Representações na Literatura e no Cinema. 2005. 0 f. Monografia. (Aperfeiçoamento/Especialização em Interfaces Linguísticas Literárias e Culturais) - Universidade Estadual do Oeste do Paraná. Orientador: Acir Dias da Silva.

8.
Simone Rodrigues. Vestígio da Cultura de Massas no Filme Réquiem Para um Sonho. 2004. 0 f. Monografia. (Aperfeiçoamento/Especialização em Interfaces Linguísticas Literárias e Culturais) - Universidade Estadual do Oeste do Paraná. Orientador: Acir Dias da Silva.

9.
Ana Paula André. Imagens da Infância na Televisão. 2003. 110 f. Monografia. (Aperfeiçoamento/Especialização em Fundamentos da Educação) - Universidade Estadual do Oeste do Paraná. Orientador: Acir Dias da Silva.

10.
Iraci Lasta Moço. Significações e Imagens em Branca de Neve. 2003. 80 f. Monografia. (Aperfeiçoamento/Especialização em Fundamentos da Educação) - Universidade Estadual do Oeste do Paraná. Orientador: Acir Dias da Silva.

11.
Josefa Moreno Delai. Educação do Olhar: Algumas Considerações Sobre os Significados Publicitário de uma Marca. 2003. 30 f. Monografia. (Aperfeiçoamento/Especialização em Fundamentos da Educação) - Universidade Estadual do Oeste do Paraná. Orientador: Acir Dias da Silva.

12.
Leonice Schwarz de Oliveira. A Figura Feminina na Música Mulheres de Atenas. 2002. 70 f. Monografia. (Aperfeiçoamento/Especialização em Literatura e Ensino) - Universidade Estadual do Oeste do Paraná. Orientador: Acir Dias da Silva.

13.
Mara Cristine Vitorino. Mulher ao Espelho. 2002. 40 f. Monografia. (Aperfeiçoamento/Especialização em Literatura e Ensino) - Universidade Estadual do Oeste do Paraná. Orientador: Acir Dias da Silva.

14.
Nina Maria Florência de Lima Pereira. Olhai os Lírios do Campo: Nos Lírios: A Salvação.. 2002. 35 f. Monografia. (Aperfeiçoamento/Especialização em Literatura e Ensino) - Universidade Estadual do Oeste do Paraná. Orientador: Acir Dias da Silva.

15.
Walter Meier. O Discipulo de Emáus - Apontamentos.. 2002. 110 f. Monografia. (Aperfeiçoamento/Especialização em Literatura e Ensino) - Universidade Estadual do Oeste do Paraná. Orientador: Acir Dias da Silva.

16.
Aparecida de Lourdes Citron Faria. O Ressecamento da Linguagem. 2001. 90 f. Monografia. (Aperfeiçoamento/Especialização em Fundamentos da Educação) - Universidade Estadual do Oeste do Paraná. Orientador: Acir Dias da Silva.

Trabalho de conclusão de curso de graduação
1.
Alisson Pavanelli. Videografia, Sentidos e Representações - Analise do Vídeo " The Secret Tournament" da Nike. 2006. Trabalho de Conclusão de Curso. (Graduação em Comunicação Social) - Faculdade Assis Gurgacz. Orientador: Acir Dias da Silva.

2.
Clóvis Alberto Siqueira Guimarães. Transpiração, Inspiração e Ação no Filme Cidade de Deus. 2006. Trabalho de Conclusão de Curso. (Graduação em Comunicação Social) - Faculdade Assis Gurgacz. Orientador: Acir Dias da Silva.

3.
Marcela Bantle de Araujo gonçalves. No Parque de diversões da Comunicação Social: Um Estudo Sobre os Movimentos Cíclicos dos Anúncios Impressos Voltados ao Público Feminino. 2006. Trabalho de Conclusão de Curso. (Graduação em Comunicação Social) - Faculdade Assis Gurgacz. Orientador: Acir Dias da Silva.

4.
Tatiana rodrigues da Fonseca. Estudos Sobre o Discurso do Real em Campanhas Publicitárias: Dove e a Campanha Pela Real Beleza. 2006. Trabalho de Conclusão de Curso. (Graduação em Comunicação Social) - Faculdade Assis Gurgacz. Orientador: Acir Dias da Silva.

5.
Mariana Franscielle Cristal Hui. Sentidos E Representações do Moderno na Mídia. 2006. Trabalho de Conclusão de Curso. (Graduação em Comunicação Social) - Faculdade Assis Gurgacz. Orientador: Acir Dias da Silva.

6.
Mara Regina dos Klinger. Comunicação e Cultura: Estudos Sobre o Melodrama na Telenovela Celebridades. 2005. 0 f. Trabalho de Conclusão de Curso. (Graduação em Comunicação Social) - Faculdade Assis Gurgacz. Orientador: Acir Dias da Silva.

7.
Míriam Larissa Duarte. Memórias do Rádio e o Rádio em Tempos modernos: Estudos Sobre o Radinho de Pilha,. 2005. 0 f. Trabalho de Conclusão de Curso. (Graduação em Comunicação Social) - Faculdade Assis Gurgacz. Orientador: Acir Dias da Silva.

8.
Michelle Cristine Bendotti. O Foto Jornalista no Cinema: Sobre o Filme A Doce Vida de Frederico Fellini. 2005. 0 f. Trabalho de Conclusão de Curso. (Graduação em Comunicação Social) - Faculdade Assis Gurgacz. Orientador: Acir Dias da Silva.

9.
Dayanni Caponi. Estudos Sobre as Imagens da Violência na Televisão. 2005. 0 f. Trabalho de Conclusão de Curso. (Graduação em Comunicação Social) - Faculdade Assis Gurgacz. Orientador: Acir Dias da Silva.

10.
Jair Reinaldo dos Santos. Repercussões do Cinema Novo de Glauber Rocha. 2005. 0 f. Trabalho de Conclusão de Curso. (Graduação em Comunicação Social) - Faculdade Assis Gurgacz. Orientador: Acir Dias da Silva.

11.
Jucelli Natali Garcia. Os Sentidos e as Representações do Som na Propaganda. 2005. 0 f. Trabalho de Conclusão de Curso. (Graduação em Comunicação Social) - Faculdade Assis Gurgacz. Orientador: Acir Dias da Silva.

12.
Daniela Polidorio Borges. As Representações do Erotismo noa Propaganda: Intececção Comparativa entre Pintura e Fotografia. 2005. Trabalho de Conclusão de Curso. (Graduação em Comunicação Social) - Faculdade Assis Gurgacz. Orientador: Acir Dias da Silva.

13.
Thaisa Carolina Marschall. Cultura e Publicidade: Estudos Sobre Discursos e Representações Fotográficas. 2005. Trabalho de Conclusão de Curso. (Graduação em Comunicação Social) - Faculdade Assis Gurgacz. Orientador: Acir Dias da Silva.

14.
Angela Aparecida Mafra. O Mostra na TV: Estudos das Imagens do Grotesco na Televisão Brasileira. 2005. Trabalho de Conclusão de Curso. (Graduação em Comunicação Social) - Faculdade Assis Gurgacz. Orientador: Acir Dias da Silva.

15.
Jaqueline Martins de Castro. Interfaces Entre Cinema, Documentário e Telejornalismo. 2005. Trabalho de Conclusão de Curso. (Graduação em Comunicação Social) - Faculdade Assis Gurgacz. Orientador: Acir Dias da Silva.

16.
Carolina Beatriz Matter. Comunicação e Sociedade: Estudos Sobre os Filmes Cidadão Kane e Além do Cidadão Kane. 2005. Trabalho de Conclusão de Curso. (Graduação em Comunicação Social) - Faculdade Assis Gurgacz. Orientador: Acir Dias da Silva.

Iniciação científica
1.
Gabriel Bonatto Roani. O Caminho dos Heróis: Uma Análise comparativa entre os Protagonistas de Dante e Homero. 2016. Iniciação Científica. (Graduando em Letras) - Universidade Estadual do Oeste do Paraná. Orientador: Acir Dias da Silva.

2.
Gustavo Xavier. DOCUMENTÁRIO E DRAMATURGIA: UMA RELAÇÃO POSSÍVEL. 2012. Iniciação Científica. (Graduando em Cinema e Video) - Universidade Estadual do Paraná, Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico. Orientador: Acir Dias da Silva.

3.
Julia Vidal. Estudos de elementos da dramaturgia no documentário contemporâneo.. 2012. Iniciação Científica. (Graduando em Cinema e Video) - Universidade Estadual do Paraná, Fundação Araucária. Orientador: Acir Dias da Silva.

4.
Juliana Oshiyama Araki. Elementos de Dramaturgia no Roteiro Cinematográfico. 2012. Iniciação Científica. (Graduando em Cinema e Video) - Universidade Estadual do Paraná. Orientador: Acir Dias da Silva.

5.
William Muneroli Manfroi. Dramaturgia e roteiro na filmografia de Ainouz. 2012. Iniciação Científica. (Graduando em Cinema e Video) - Universidade Estadual do Paraná. Orientador: Acir Dias da Silva.

6.
Kaline Cavalheiro da Silva. Estudos sobre Cinema e Cultura: ?Yume?, olhares sobre um mundo estranho. 2011. Iniciação Científica. (Graduando em Letras) - Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico. Orientador: Acir Dias da Silva.

7.
Kaline Cavalheiro da Silva. Estudos sobre Cinema e Cultura: ?Yume?, olhares sobre um mundo estranho.. 2010. Iniciação Científica. (Graduando em Letras) - Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico. Orientador: Acir Dias da Silva.

8.
Camylla Galante. Estudos sobre Cinema e Pintura: as imagens do teatro de August Strindberg. 2010. Iniciação Científica. (Graduando em Letras) - Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico. Orientador: Acir Dias da Silva.

9.
Camylla Galante. Sonho e loucura: estudo de imagens e palavras em August Strindberg. 2010. Iniciação Científica. (Graduando em Letras) - Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico. Orientador: Acir Dias da Silva.

10.
Camylla Galante. Sonho e Loucura: Estudo de Imagem e Palavras em August Strindberg. 2010. Iniciação Científica. (Graduando em Letras) - Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico. Orientador: Acir Dias da Silva.

11.
JULIE FANK. Significação na Arte: Intersecções e representações na Literatura, no Cinema e na Pintura. 2009. Iniciação Científica. (Graduando em Letras) - Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Fundação Araucária. Orientador: Acir Dias da Silva.

12.
Julie Fank. Significação na Arte: Interseções e Representações n Literatura, no Cinema e Pintura.. 2009. Iniciação Científica. (Graduando em Letras) - Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico. Orientador: Acir Dias da Silva.

13.
Cammyla Galante. Imagem e Linguagem: Estudos Sobre as Obras de Dias Gomes. 2009. Iniciação Científica. (Graduando em Letras) - Línguas & Letras (UNIOESTE), Fundação Araucária. Orientador: Acir Dias da Silva.

14.
Camylla Galante. Imagem e Linguagem: Estudos sobre as Obras de Dias Gomes. 2008. Iniciação Científica. (Graduando em Letras) - Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Fundação Araucária. Orientador: Acir Dias da Silva.

15.
Aline Benelli Zamboni. O narrado no cinema e na literatura. 2008. Iniciação Científica. (Graduando em Letras) - Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Fundação Araucária. Orientador: Acir Dias da Silva.

16.
Andressa Vieira Rocha Garbato. O narrodor no cinema e na literatura. 2008. Iniciação Científica. (Graduando em Letras) - Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Fundação Araucária. Orientador: Acir Dias da Silva.

17.
Deise Ellen Piatti. ?Estudo Semiológico do documentário Terra para Rose e da peça Vereda da Salvação?.. 2007. Iniciação Científica. (Graduando em Letras) - Universidade Estadual do Oeste do Paraná. Orientador: Acir Dias da Silva.

18.
Andressa Vieira Rocha Garbato. O narrador no cinema e na literatura. 2007. Iniciação Científica. (Graduando em Letras) - Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Fundação Araucária. Orientador: Acir Dias da Silva.

19.
ALINE BENELLI MOURO ZAMBONI. O Narrador no Cinema e na literatura. 2007. Iniciação Científica. (Graduando em Letras) - Universidade Estadual do Oeste do Paraná. Orientador: Acir Dias da Silva.

Orientações de outra natureza
1.
Regina A. Sganzerla Pires. ARTE, POESIA E DANÇA: TRAVESSIAS PARA A EDUCAÇÃO ESTÉTICA DO DEFICIENTE MENTAL E DOS CADEIRANTES. 2011. Orientação de outra natureza. (Letras) - Universidade Estadual do Oeste do Paraná. Orientador: Acir Dias da Silva.

2.
SILVANA LUIZA CADORE. MÚSICA CAIPIRA = ESTUDOS CULTURA E MEMÓRIAS. 2011. Orientação de outra natureza. (Letras) - Universidade Estadual do Oeste do Paraná. Orientador: Acir Dias da Silva.

3.
Deise Ellen Piatti. "Em nome do filho: a artde de decidir e agir em Lavoura Arcaica". 2008. Orientação de outra natureza. (Letras) - Universidade Estadual do Oeste do Paraná. Orientador: Acir Dias da Silva.

4.
Maria das Dores Valentim Alves. O incrivel exercíto carnavalesco. 2008. Orientação de outra natureza. (Letras) - Universidade Estadual do Oeste do Paraná. Orientador: Acir Dias da Silva.

5.
Sheyla Sabino da Silva Miroginski. As passagens se cruzam em o sétimo selo. 2008. Orientação de outra natureza. (Letras) - Universidade Estadual do Oeste do Paraná. Orientador: Acir Dias da Silva.

6.
Laysmara Carneiro Edoardo. A infância no cinema: retratos e imagens infância em O Tambor de Volker Schlöndorff. 2008. Orientação de outra natureza. (Letras) - Universidade Estadual do Oeste do Paraná. Orientador: Acir Dias da Silva.

7.
Marco Aurélio Morel. Cinema e linguagem: o cinema poético em "O Zero não é Vazio" de Marcelo Masagão e Andréa Menezes. 2008. Orientação de outra natureza. (Letras) - Universidade Estadual do Oeste do Paraná. Orientador: Acir Dias da Silva.

8.
Laysmara Carneiro Edoardo. Para histórias de mundos e mundos de histórias: arte, ficção e análise fílmica. 2008. Orientação de outra natureza. (Letras) - Universidade Estadual do Oeste do Paraná. Orientador: Acir Dias da Silva.

9.
Aline Benelli Mouro Zamboni. O narrador no cinema e na literatura. 2008. Orientação de outra natureza. (Letras) - Universidade Estadual do Oeste do Paraná. Orientador: Acir Dias da Silva.

10.
Julie Fank. Algumas representações da figura do velho no cinema e na literatura. 2008. Orientação de outra natureza. (Letras) - Universidade Estadual do Oeste do Paraná. Orientador: Acir Dias da Silva.

11.
Deise Helem Pilatti. Memória, História e Patrimônio em Cinema, Aspirina e Urubus. 2007. Orientação de outra natureza. (Letras) - Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. Orientador: Acir Dias da Silva.

12.
Andressa Vieira Rocha Garbato. Clarice Lispector, Estrela de Mil Pontas. 2007. Orientação de outra natureza. (Letras) - Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Fundação Araucária. Orientador: Acir Dias da Silva.

13.
Deise Hellen Piatti. Esbouços do Passado em Lavoura Arcaica. 2007. Orientação de outra natureza. (Letras) - Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. Orientador: Acir Dias da Silva.

14.
sheyla Sabino da Silva. Lágrimas de luz: Olga e a Linguagem do Exesso. 2007. Orientação de outra natureza. (Letras) - Universidade Estadual do Oeste do Paraná. Orientador: Acir Dias da Silva.

15.
Catarina Rinaldi Mariussi. Aperfeiçoamento em Geografia Crítica. 1997. 30 f. Orientação de outra natureza - Universidade Estadual do Oeste do Paraná. Orientador: Acir Dias da Silva.

16.
Carmem Valdomiro Menin. Arte é Vida. 1997. 30 f. Orientação de outra natureza - Universidade Estadual do Oeste do Paraná. Orientador: Acir Dias da Silva.

17.
Lourdes Umbelina Puntel. A Arte no Brasil. 1997. 27 f. Orientação de outra natureza - Universidade Estadual do Oeste do Paraná. Orientador: Acir Dias da Silva.

18.
Iara Maria Brescovit. Técnica de Estudos: Teoria e Prática.. 1997. 30 f. Orientação de outra natureza - Universidade Estadual do Oeste do Paraná. Orientador: Acir Dias da Silva.

19.
Reni Elias dos Reis. Reeducar para Educar. 1997. 40 f. Orientação de outra natureza - Universidade Estadual do Oeste do Paraná. Orientador: Acir Dias da Silva.


TRANÇAS DE MARIA LUISA BOMBAL


Por dia após dia os seres humanos orgulhosos que agora tendem a deixar ir de nossa limbo inicial, é que as mulheres não se importam ou apreciar por causa de suas tranças.
Positivo, eles ignoram o barracão, colocar atalho para as correntes mágicas que brotam do coração da própria Terra.
Porque o cabelo da mulher começa a partir de profundo e misterioso: a partir de onde nasceu e treme a primeira bolha; É de lá que se desdobra, lutas e cresce entre muitos e emaranhados forças para a superfície da planta, ar e até mesmo as frentes privilegiados que ela escolheu.
tranças escuras e brilhantes de Isolde, Princess of Ireland, que não absorveu a primeira bolha enquanto seus lábios para beber a primeira gota de que filtram encantado!
Não era qualquer coisa nesse tranças que as raízes deste filtro escurriéronse rápido feitas seu destino humano? Para que nunca deve duvidar de que o cabelo iria desfrutar de um tal rumor de fontes subterrâneas, tais suspiro de uma brisa e folhas. Rumor e seu suspiro que naquelas noites de amor e Tristan destrenzaba lua para ouvir em transe agora, persistente e secreto cantar .... o canto natural de que o cabelo.
e eu sei, e devo dizer, que mesmo quando Isolde dormia, seu cabelo estava encorajando entreaberta, seja no travesseiro Tintajel Castle, quer trigos exílio ... e estranhas flores floresceu ela rasgou aterrorizante a cada amanhecer.
E a as tranças louras Melisanda, mais do que o seu corpo muito delicado.
Trança prudentes dobrar um pôr do sol de outono, torre descolgáronse para baixo sobre os ombros fortes do irmão do rei ..., seu marido.
Melisande, Pelléas aterrorizado gritos. Então, tremendo e, finalmente, deixando seu coração falar ... Melisande, murmura ... seus cabelos, seus cabelos que eu possa, finalmente, tocar, beijar, envolvê-los.
Em resposta, apenas um suspiro a partir do topo da torre. Tranças, sem saber confessou que tímida e queima de uma verdade, que sua amante tinha tão bem escondido dentro de seu coração.
E por que não agora lembrar os nossos tranças doce Maria, Jorge Isaacs! Ceifadas e envolto em avental azul que ela regada seu pequeno canto do jardim tranças.
Tranças bicado borboletas secas e memórias com Efraim dormiu debaixo do travesseiro sua longa noite de tristeza.
Tranças mortas, mas eu vou viver que o obrigou a ir na vida, se apenas não se lembrar.
Oitava Esposa do Barba Azul ... Você esqueceu? E como extravagante e marido grave para tirar viagem copiado inesperado para as chaves de acesso esposa impertinente a todos os quartos da mansão suntuosa e vasto, exceto proibindo o uso do pequeno e mofado para tomar o último pedaço de um Abandonada e eu desalfombrado corredor.
Ele vai muito bem explicar que durante a ausência civil que vem, no meio de tanta diversão, amigos e arejado reidoras foliões, o jogo mais intrigado e tentado, foi o jogo só proibida. Para introduzir na fechadura correspondente a llavecilla misteriosa do que a sala abandonada íntimo.
Muito conhecido é que as mulheres e gatos, a curiosidade sempre triunfou sobre todos os outros paixão. Assim, quando o retorno prematura de seu Senhor e Mestre, a esposa desobediente tinha para dar entrega trêmula de chaves, entre eles, embora de forma maliciosa escondido, o cavaleiro temível descobriu não só bolor ... mas também de tinta sangue.
-Vos, Senhora, você me traiu ele rugiu; ele tem nenhum outro destino para ir para encontrar seus amigos tristes pelo o fim do corredor.
Dito isto, desembainhou a espada ...
E o que é essa história que nós sabemos de nossa infância, você está se perguntando? Não tem nada a ver com qualquer trança ...
I ' Sim, você tem que ! " Eu digo duro. Não lhe que não era a pequena trégua concedida ao marido indignado à sua mulher inconsciente, a fim de orar por a última vez que entendem; nem os ayes ou chamadas que aterrorizavam Ana lançado a partir da torre para obter ajuda para sua irmã.
E mesmo os transgressores e passeio caprichoso que, naquela época dois guerreiros empreendeu visita ao castelo.
Não, nada disso foi o que a salvou.
Eram suas tranças e nada além de seus elaboradamente penteados um cento e sedosa e caprichosas cobras, que quando o marido implacável brutalmente fora os pés, a fim de cumprir a sua missão, o que reduziu a velocidade e entrabaron seus dedos criminais, enrredándose para -se em meada desesperada ao longo da borda de sua espada, teimosamente agarrado a proteger o pescoço delicado para a chegada providencial dos dois desses guerreiros, queridos irmãos também convidou anteriormente pela nossa pobre curioso.
Então, não em vão durante dezoito Aprils inocentes e alegres, a menina que era então o sentido espanhol e Bluebeard 's última esposa, que seu cabelo escovado cantando, comunicando vigor e beleza.
"Ele estava muito pálido e mulheres que têm o cabelo muito longo, Balzac descreve uma de suas heroínas enigmáticas.
E não era um capricho verbal.
Porque Balzac era, sem dúvida, sempre intuir que a correspondência íntima que é normalmente definida entre os seres e o mistério profundo da Terra.
E aqui estou eu para provar e ilustrar esse hobby com seu estranho acontecimento testemunhado e não viveu muitos anos tem, para muitos de nós.
Até que dar nomes ou lugares! Aqueles que conhecem, sabem; outros podem muito bem adivinhar -los .
Duas irmãs.
Fim de uma família brilhante, poderosa muito tempo, mas sempre assolada por paixões escondidas, mortes inesperadas, suicídios.
A irmã mais velha, murcho e muito jovem, mão corte de cabelo, vestido vicunha poncho, apesar do luto protesta seus pais mundanos, ele foi para a imensa propriedade no sul, que decidiu controlar com mão de ferro. camponeses refinados logo chamar o Amazon. Ele era teimoso, mas justo. Feio mas atraente comportamento e generoso sorriso. Solteirona ... ninguém sabe o porquê.
O menor, no entanto, foi a viúva de seu próprio Mulher vontade ferir o orgulho de seu coração. Ela era bonita em a saúde extrema, mas igualmente frágil.
Ela também morava sozinho, mas na antiga mansão da família na cidade. Ele tinha uma voz suave, olhos castanhos calmas, mas penteado trança vermelha pressionada em torno de sua pequena cabeça, jogou olhares violentos em sua tez pálida.
Sim. Era uma mulher doce e terrível. Ele caiu no amor e que ele amava loucamente.
É tudo começou na fazenda que o outono noite, em que o guarda-caça para baixo para os gritos oca "Fogo!"
Muito em breve, no entanto, que, com a testa pressionada contra o vidro de sua janela, observando a Amazona intrigado, que o amanhecer roxa cedo, embotamento lá em cima nas colinas da propriedade ..., com sua calma habitual deu ordens casas de funcionários, pediu a seu cavalo e caminhou em direção ao fogo, acompanhados pelos seus mordomos.
Enquanto isso, na cidade, a irmã mais nova, de volta de uma dança, deitado no tapete da sala, tomado por um desmaio repentino.
Seus festejantes dois servidores e sua dormir submersa ela para a primeira vez, abandonou na sombra dos castiçais que tinha começado. E se eu cúmplice, que o vento frio, que agora sopra e agitando as cortinas das altas varandas, entreabriéndolos para ir para resolver sobre a testa, ombros e seios nus da defesa.
No sul fundou a Amazon e sua comitiva subia colinas, para a floresta e os incêndios. Outro golpe, esta ardente e pungente, varreu contra eles rebanhos de folhas chamuscados, pássaros e ninhos cegos inflamadas.
Sabendo de antemão expirado. Que alcançou e como para manter a fúria desse alargamento!
A Amazona sentou-se no tronco de uma árvore morta caída e tem muitos anos estoicamente resignado com o espetáculo da catástrofe, com a dignidade sombria com que um magnata indignado auxilia os saques e destruição de sua propriedade.
A floresta queimada sem fazer barulho, e sob as árvores Amazona impassíveis caiu 12:59 e ela assistiu calmamente enquanto dormir, enegrecerse e galeria de friável por galeria colunas selvagens da catedral familiar ... pemitiéndose lembre-se, pensar e sofrer por primeira vez...
Essa enorme avelã ... é consumido, não estava sob a avalanche de porcas que seus irmãos e babás reuniram-se para saborear o piquenique cobiçado?
E depois disso tronco gigantesco ... árvore cujo nome esquecido, veio a se esconder depois seus crimes ... e aqueles pobres pequenos callampas bambas, sob o cedro rasgado ou Hollaran impiedosamente ... e que o eucalipto que -jovencita- segurá-la chorar estupidamente para entender e sentir a primeira decepção, que pena, que nunca confessou, tal vergonha que incitam corte de cabelo, tornar-se a Amazona e resolveu não a amo amor nunca ... nunca mais .. .
De volta à cidade embotado madrugada, no tapete da irmã do corpo inerte -o que sempre se atreveu amargo, afundando por espasmos leves no que eles chamam de morte ... mas ninguém sabia, ele foi encontrado para quem poderia intervir a tempo de resgatar a trança vermelha que ainda permanecia depois de sua noite selvagem de dançar.
E, de repente, na fazenda, era o colapso final, o êxodo dos cavalos bravos retornando com manes peles e eriçadas, poupando-lhes os seus semiasfixiados pilotos.
O delicado da floresta em ruínas começaram a brotar enormes línguas de fumaça, como muitos e como retas como as árvores foram erguidas no mesmo local.
Por um breve momento, que a floresta fantasma e viveu distância contra seu proprietário e os servidores estavam chorando. Ela não.
Em seguida, entulho, cinzas e silêncio.
Quando da cidade chegou a fechar as varandas e subiu para o muito frágil para espalhar na cama, tentando em vão reanimá -la , para manter seu morno, já era tarde demais.
O médico disse que ele havia agonizado durante toda a noite.
Mas a floresta tinha a agonizar e morrer com ela e seu cabelo, cujas raízes foram os mesmos.
videiras árvores guita verdes, algas doce para as rochas, são escalpos desmadejadas, são a palavra, indo e bateu da natureza; são a sua alegria e melancolia, são a sua expressão através da qual a natureza se infiltra confusamente a sua magia e os seres sabendo.
E é por isso que as mulheres agora para se livrar de seus cabelos perderam seu palpite força e tem premonições ou prazeres de energia absurdas ou magnéticos.
E seus sonhos não são agora, mas uma marca que traz triste e cansado retrai imagens ou algum outro pesadelo nacional.


UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS
ESTUDOS LITERÁRIOS (32001010056P6)

Investigações literárias: terapias e encenações do feminino
FERNANDA VALIM CORTES MIGUEL
TESE
26/02/2015
As três 'Investigações Literárias' independentes que integram este trabalho foram compostas, sobretudo, sob a inspiração da atitude metódico-terapêutica desenvolvida pelo filósofo austríaco Ludwig Wittgenstein para se lidar com problemas filosóficos. Daí a remissão intencional delas à principal obra de Wittgenstein - 'Investigações Filosóficas' - publicada postumamente. As investigações aqui em foco tomam como objeto de estudo as diferentes encenações do feminino e as relações de gênero que as constituem, nos e a partir dos contos: 'Trenzas', da escritora chilena María Luisa Bombal; 'Uma galinha', da escritora brasileira Clarice Lispector; e 'Las vestiduras peligrosas', da escritora argentina Silvina Ocampo. Para isso, diferentemente de uma atitude hermenêutico-interpretativa de busca de um sentido oculto no texto literário - e orientando-se por uma atitude terapêutico-wittgensteiniana ressignificada com base em algumas semelhanças de família que ela mantém com a atitude derridiana desconstrucionista -, as três terapias procedem segundo movimentos de dispersão espectral de encenações do feminino, partindo de rastros manifestos dessas encenações nos atos narrativos dos contos eleitos. Assim, a partir deles, percorremos os envios dispersos em arquivos culturais de uma variedade de práticas culturais que foram/são realizadas em diferentes campos e contextos de atividade humana constitutivos de diferentes formas de vida. Uma terapia de dispersão espectral de encenações do feminino opera visando à descrição de estratégias narrativas manifestas nos contos e de alguns de seus efeitos performáticos de sentido sobre o corpo de uma leitora terapeuta interessada em investigar suas significações culturais, percorrendo usos e remissões de tensões de gênero em outros diferentes jogos de linguagem que se entrelaçam numa rede cujos nós se conectam por semelhanças de família
terapias literárias, María Luisa Bombal, Clarice Lispector, Silvina Ocampo, Ludwig Wittgenstein
The three independent 'Literary Investigations' that are part of this work were composed mainly under the inspiration of methodical-therapeutic approach developed by the Austrian philosopher Ludwig Wittgenstein to deal with philosophical problems. Hence the intentional reference of our 'Literary Investigations' to the Wittgenstein's Philosophical Investigations, your main posthumously published work. Our Investigations take as object of study the different female performances and the gender relations that constitute them in/from the following tales: 'Braiding' by the Chilean writer María Luisa Bombal; 'A chicken' by the Brazilian writer Clarice Lispector; and 'Dangerous garments' by the Argentine writer Silvina Ocampo. To do this, unlike a hermeneutic interpretive attitude of searching for hidden meanings in the literary text - and guiding themselves by a re-signified Wittgensteinian therapeutic attitude based on some family resemblances it shares with the Derrida's deconstructionist attitude - the three therapies are developed in accordance to spectral dispersion movements that stage the female gender, from manifest traces of these performances in the narrative acts of the elected tales. So, from these traces, we go through the remissions dispersed in the archives of cultural practices that have been carried out in several fields and contexts of human activities of different forms of life. The aim of a spectral dispersion therapy of female gender performances is to describe narrative strategies manifested in the tales and some of their meaning performative effects on the body of a therapist reader who intends to investigate cultural meanings of these effects, when she/he goes through the uses and remissions of gender tensions in other different language games that intertwine themselves in a network whose nodes are connected by family resemblances
literary therapies, María Luisa Bombal, Clarice Lispector, Silvina Ocampo, Ludwig Wittgenstein
1
295
PORTUGUES
Biblioteca da FALE e Universitária da UFMG

terça-feira, 21 de março de 2017

Fique por dentro e se prepare para a Segunda produção escrita do ano letivo!

VALOR: 100
NOTA: ___________
 
COLÉGIO ESTADUAL ULYSSES GUIMARÃES.
Disciplina: Língua Portuguesa.
Professora: Wilma Nunes Rangel
Foz do Iguaçu,_____ de março de 2017.
Aluno(a): ____________________________________ nº.: _____   8º  Ano  Turma:____
 Imagem relacionada

PROPOSTA DE REDAÇÃO 02

Se biografia é a história da vida de alguém (já que bio é vida e grafia é texto, escrita), o que você imagina ser autobiografia? O prefixo auto quer dizer "a si mesmo", logo o termo se refere à história da própria vida.
Leia a apresentação que faz de si mesmo o escritor de livros infantis Bartolomeu Campos Queiroz:
...das saudades que não tenho
Nasci com 57 anos. Meu pai me legou seus 34, vividos com duvidosos amores, desejos escondidos. Minha mãe me destinou seus 23, marcados com traições e perdas. Assim, somados, o que herdei foi a capacidade de associar amor ao sofrimento... Morava numa cidade pequena do interior de Minas, enfeitada de rezas, procissões, novenas e pecados. Cidade com sabor de laranja-serra-d’água, onde minha solidão já pressentida era tomada pelo vigário, professora, padrinho, beata, como exemplo de perfeição.
(...) Meu pai não passeou comigo montado em seus ombros, nem minha mãe cantou cantigas de ninar para me trazer o sono. Mesmo nascendo com 57 anos estava aos 60 obrigado ainda a ser criança. E ser menino era honrar pai com seus amores ocultos. Gostar da mãe e seus suspiros de desventuras.
(...) Tive uma educação primorosa. Minha primeira cartilha foi o olhar do meu pai, que me autorizava a comer ou não mais um doce nas festas de aniversário. Comer com a boca fechada, é claro, para ficar mais bonito e meu pai receber elogios pelo filho contido que ele tinha. E cada dia eu era visto como a mais exemplar das crianças, naquela cidade onde a liberdade nunca tinha aberto as asas sobre nós. Mas a originalidade de minha mãe ninguém poderá desconhecer. Ela era capaz de dizer coisas que nenhuma mãe do mundo dizia, como por exemplo: – Você, quando crescer vai ter um filho igual a você. Deus há de me atender, para você passar pelo que eu estou passando. – Mãe é uma só. (...)
 (Bartolomeu Campos Queiroz, em Abramovich, Fanny (org.) – “O mito da infância feliz”. Summus, São Paulo, 1983).
 A autobiografia de Bartolomeu Campos Queiroz é marcada por certa tristeza e uma forte crítica tanto à educação dos pais, quanto aos costumes cidadezinha onde nasceu. Dessa forma, ele rompe com a ideia de que criança é sempre feliz por ser inocente e não perceber os problemas da vida. O escritor dá a entender que todos nascemos velhos, porque somos parte de vidas já vividas pelos pais e até mesmo pela sociedade - simbolizada em seu texto pela cidadezinha em que nasceu. Também vale notar a referência irônica ao célebre poema "Meus oito anos", de Casimiro de Abreu (“Oh”! que saudades que tenho/ da aurora da minha vida...).
Na biografia, a seleção dos eventos a serem apresentados é definida pelos outros, por isso, a objetividade é mais evidente que na autobiografia, em que a pessoa escolhe o que vai escrever sobre ela mesma. Outra característica tanto da biografia quanto da autobiografia é a veracidade dos fatos. Costumam ser narrativas não ficcionais, ou seja, não são histórias "inventadas". O relato dos fatos no texto autobiográfico aparece frequentemente pontuado de lembranças, de um colorido emocional, que não é mostrado em outros tipos de textos e predominando a subjetividade. Fonte: http://educacao.uol.com.br/disciplinas/portugues/autobiografia-como-contar-a-sua-propria-vida.htm
Escreva sua Autobiografia, use seu rascunho baseado nos textos acima, seja criativo, mínimo 22 sem limite de linha máximo.
Gênero Textual


Título:


1


2


3


4


5


6


7


8


9


10


11


12


13


14


15


16


17


18


19


20


21


22


23


24


25


26


27


28


29


30


Melhorar:
(   ) Letra legível, apresentação
(   ) Ortografia, pontuação e acentuação
(   ) Concordância
(   ) Tema, título e parágrafos
(   ) Marcas da fala
(   ) Veracidade dos fatos
(   ) Margens regulares, linhas plenas
(   ) Repetição de palavras
(   ) Adequação da proposta
(   ) Letra maiúscula
(   ) Sequência de ideias
(   ) Aumentar a criatividade